sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Utopia


Lembro-me do dia que morri
Suave remédio é a dor
Que age sem consequência medir
Que olha a vida e simplesmente sorri

O veneno em minhas veias corria
A loucura embriagava-me
E trazia a doce ilusão
Que a morte seria minha utopia

Meus pulsos tremiam
Implorando, chorando,
Clamando por sangue
 E pela querida liberdade

E ali dei meu ultimo suspiro
Com a alma gritando calada
Fui enganada
Presa eu não estava a nada

Letras aos Corvos
*Essa poesia será publicada no livro Letras aos Corvos
Visite o site da RHS editora para mais informações

Um comentário:

Tainã Almeida disse...

Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos perídos mais
marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso? (sinopse do meu blog)
Acessa o meu blog?
"Blog de uma adolescente"

http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

Espero a sua visita, se gostar do meu blog, segue lá, ficarei muito feliz.
Desde já obrigada, tenha uma ótima semana.
Atenciosamente Tainã Almeida.